segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Carta Capital Persegue Battisti: A Troco de Quê?


Na imagem, o amigo do Lula e do Berlusconi.

A Carta, que parecia se salvar no terreno das revistas semanais de (des)informação, não apenas por ser "esquerda", parece fazer por merecer a vala comum de Veja e IstoÉ.

Mino, italiano, deve ter alguma razão pessoal para não reconhecer que a perseguição a Battisti é política, pouco importando as circunstâncias reais dos crimes atribuídos a ele por companheiros de uma ORGANIZAÇÃO POLÍTICA em delação premiada, e julgados à revelia (só um idiota voltaria à Itália para ser "julgado").

Mas mesmo sem entrar no mérito, o artigo perde qualquer credibilidade ao chamar Battisti de ex-terrorista. Antes de mais nada, ou essa palavra é abandonada, ou deve ser estendida a pessoas como Ehud Barak, que liderou a IDF na chacina de 1400 gazeus em claro "uso [ou ameaça de uso] de violência com fins políticos, ideológicos ou religiosos"; ou quem sabe Garrastazu Médici? Henry Kissinger? Vladimir Putin? Ou o Stroessner, que asilamos? Por que não são terroristas esses? O Mandela não era assim considerado, até outro dia, quando - vendido aos racistas - virou heroi?

Eu, de minha parte, prefiro a resistência pacífica, mas isso é um tanto ingênuo. A ação de Battisti, como a da luta armada brasileira, foi um erro mais pela limitada chance de êxito do que pelo aspecto moral. O direito à insurreição é assegurado nos países democráticos. Era um governo legítimo que se combatia? Discutível: um país que viveu (e criou) o fascismo deveria ser cioso da volta da extrema-direita. E o atual premiê é prova de que não aprenderam nada!

Por fim, pouco me importa se Battisti for extraditado, o que se afigura como o mais provável. Gostaria de acreditar que seria tratado com dignidade, em caso afirmativo, mas tenho sérias dúvidas.

O que me incomoda é o comportamento da "comunidade internacional" e da "opinião pública" de adotar dois pesos e duas medidas, dependendo da posição ideológica, étnica ou social de um criminoso.

Nenhum comentário: