sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Água é Tóxico?


Que não se torne costume, mas aqui vai mais um relato pessoal. Até demais, mas já que comecei, vamos lá.

Meu psiquiatra (sim, sou louco de carteirinha) me pediu um exame toxicológico (sim, sou usuário de cannabis, e daí?) do qual eu tentava fugir de todo jeito. Que meu pai não visite o blogue... Resolvi topar a parada enfim: exame de urina é moleza, basta "diluir" a urina se entupindo de água.

Mas em vez de me informar, dirigi-me direto à padaria perto de casa e do laboratório que eu sabia que faz - ou cria fazer - o exame em questão. Peguei uma garrafa de litro e meio d'água (seriam duas), pedi um café duplo (é diurético, deve ajudar) e abri o Grapes of Wrath do Steinbeck - uma distração de luxo. Copo depois de copo até a primeira micção. A meta é que o intervalo entre elas seja de vinte minutos. (Crianças, não tentem isto em casa). Atingida a recomendação, atravessei a rua até o laboratório. O problema é que como dizia Paracelso, tudo é remédio ou veneno dependendo da dose; e intoxicação por água não é bolinho: tontura, mal-estar e mesmo uma ligeira distorção das cores. Mas nada tem de agradável (crianças, já sabem!).

Chego passando mal para descobrir que o exame não é feito naquela unidade, apenas na central da 716 Sul. Mas a besta aqui ouviu 16 e associou à unidade da 516 Norte. Então fui até a ponta da Asa Norte, bebi mais água, e descobri que... era do outro lado do Plano (ou Esboço) que eu deveria ir, e rápido, antes das 18h. Dirigi até lá, errei o caminho, peguei trânsito... mais água (e o tempo inteiro fazendo mágica para conseguir um banheiro), e cheguei à porcaria da Central. Peguei uma senha e continuei bebendo água, e passando mal. Nada de chamarem. Perguntei uma vez, e na segunda descobri que já era. Fiquei muito puto. E menti a meu pai dizendo que colhera o material, já que acreditava que o faria no dia seguinte.

Repeti o truque: 3 litros d'água em 40 minutos, intoxicação, senha, balcão e a pergunta: "É o exame de urina que vocês fazem, não?", "Não, é o de fio de cabelo".

Agora, estou em maus lençois, menos com o médico do que com o coroa. Quer saber? Dofa-se. Não escondo nada de ninguém (ou quase), sou maior e não devo satisfação nenhuma. Nem a vocês, que devem estranhar este texto ainda pior que os demais.

Nenhum comentário: