sábado, 27 de março de 2010

Da Patada ao Piparote

Posso dizer que não era tão neófito assim na blogosfera quando assumi este endereço. Lá pelos idos de 2002, meu amigo Alexandre Piccolo - esse sim um literato que se possa levar a sério - mais o PH, o Mário... o Socha, como esquecer? mas basicamente o Alê - que é dublê de literato e computeiro, esqueceu-me dizer - bolaram a Patada, uma comunidade em que cada um tinha um dia para publicar seu texto, e que foi ganhando em visibilidade até um fim inexplicável lá pelo começo de 2006. Estou quase certo de que houve uma etapa anterior à Patada, mas não consigo me lembrar do nome. Sei que a Patada foi, juntamaente com o Coquetel do Mingus, uma das coisas interessantes com que me envolvi enquanto em Campinas. E diria que a fase áurea - já que eu sou muito fraco para escrever ficção - foi a Quitanda do Leo, em que eu resenhava coisas diversas com um twist humorístico - meio boboca, admito.

Aqui vai o arquivo. Há muita maluquice impublicável aí, como também na maior parte do Leosfera - que surgiu de uma de minhas "etapas", por assim dizer. Mas aí já estou entregando a rapadura. Enfim, passa lá e aproveita para conferir os outros articulistas também. Tem coisa boa aí.

Mas nada de ficar lamentando a morte da Patada, porque... ela ressurge como o Piparote! Basicamente a mesma patota, com o mesmo objetivo: escrever e publicar textos. O que significa dizer que estarei vivendo uma vida dupla: resolvi que o Piparote será a plataforma onde publicarei ficção (e isso me força a produzir, o que é ótimo), enquanto aqui no Leosfera ficam as abobrinhas políticas. Música, cinema e arte em geral vai ser um coringa para usar nos dois (para "tapar buracos" no Piparote e para "quebrar o gelo" por aqui).

Já adicionei o link aí ao lado, mas não tem por que não repetir (é um endereço tão enxuto e bonitinho):

http://www.piparote.com/

Um comentário:

Alexandre Piccolo disse...

ótima menção, Léo! é muito bom ver os participantes desses projetos comentarem (com suas próprias palavras, escritas!) esses espaços de que participaram (e ainda participam). Fico feliz de saber que foi um espaço que deixou boas lembranças. Então, que as criemos de novo, agora no Piparote!

Acho que há algo em comum com o espírito da Leosfera: o exercício da escrita "incontinente" (e que é preciso aprender a "domá-la" - eis o porquê do exercício). Como "amantes das humanidades" (delas cada vez mais "profissionais"), é na escrita que demonstramos nosso manejo com o que lemos, é na escrita que realizamos o outro lado do balcão da "leitura" - claro, sem veleidades (ou com o mínimo possível). Por isso é importante, creio eu, praticar constantemente essa "técnica" (ars...), assim como se pratica a leitura cotidiana.

Bem, curti à beça seu "post". Assim que "enriquecermos" o visu do piparote, os links se retribuem. Grande abraço!