terça-feira, 29 de junho de 2010

Por uma vida mais careta

Caríssimos, cheguei a apagar a última postagem, mas mudei de ideia. Fica aí como testemunho da treva que me ameaçava, do pessimismo que se insinuava e mesmo de uma concepção de vida que podia parecer charmosa, descolada, mas que o mais reles bom senso serve para demonstrar que é uma furada. Não é possível um ser humano escolher se jogar no poço.

Não gosto de usar este espaço para assuntos tão íntimos, afinal esta porra de sítio é público e, se é pouco visitado, pode o ser por olhos pouco convenientes. Mas venho aqui a esta tribuna virtual reafirmar uma decisão que tomei ontem, pouco antes da bela vitória da esquadra-canarinho ante o velho freguês sulamericano pelas oitavas (será que o Dunga traz o Caneco?).

Saquei que - sendo maníaco-depressivo, como já entreguei- não posso beber e me drogar obsessivamente como tenho feito, e lutarei para virar o cara mais careta do mundo, pelo menos no que se refere a esse aspecto - todo o resto não precisa mudar. Os 3.0 estão quase aí, e não quero seguir fora do prumo, cambaleando numa adolescência prolonganda até uma velhice degenerada (Bukowski, enfim).

Sei que ninguém quer saber disso, e se você leu até aqui, sorte minha: já não é das 85% das visistas que duram até 5 segundos. Acredito estar escrevendo para mim mesmo, afinal. Para deixar gravado aqui o compromisso, assim como o "contrato" que assinei com as datas em que parei de fumar o careta e de beber e "bem, você sabe".

Daqui a um mês, ou 29 dias para ser exato, atravesso o umbral dos "inta", não é pouca coisa. Estou certo de que a cada ano celebrarei tantos anos (mais um mês) de nova vida. Mas prometo não virar evangélico, pelo menos.

2 comentários:

Renata S. disse...

Virar evangélico é apelação.

pagine corsare disse...

Hey, meu querido Leo,

cara, eu dou todo o apoio ! Faz o que for preciso para te sentires bem... Mas dia, menos dia, tambem eu desco a rua da bohemia...

E careta ou nao, estou na torcida para que nao voltes ao estado de espirito de outrora -- ainda que os bipolares podemos talvez no maximo aspirar a que ao voltar tenhamos melhor presenca de espirito...

Beijo,
Pedro