quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Pat Metheny: Diversão Tripla


Existem algumas formas de investir o dinheirinho suado que a gente começa a ganhar. Algumas não trazem riscos, outras podem gerar ganhos maiores. Tem uma que só rende mesmo muito prazer, e é a que este perdulário blogueiro adotou: discos. Não me refiro aos anódinos disquinhos compactos, mas aos long plays, que estão de volta com tudo, sim senhor. Já cheguei a encetar um inventário por aqui, que já está defasado há muito, portanto deixa pra lá.

Mas na última aquisição que fiz está uma joia rara. Daquelas que têm o sabor do seu bolo favorito, que sua vó fazia, algo extraordinário, digno de nota. É o disco triplo Day Trip/Tokyo Day Trip de Pat Metheny com Christian McBride e Antonio Sánchez. Já ouvi uma vez que o fundamento do jazz é no fim o trio - e os exemplos são tantos, mas vez agora à mente outro LP que comprei, do Bill Evans Trio, Moon Beams -; se aqui a guitarra substitui o mais tradicional piano, é apenas a exceção que confirma a regra. Eles vão com naturalidade desde a mais bela balada à pegada mais nervosa. Day Trip é um disco de estúdio, duplo, e Tokyo Day Trip é um EP ao vivo. Some-se a bela arte, grande como só os bolachões permitem, e o conteúdo integral em CD de preza, com a praticidade envolvida e voilà: um discaço. Uma resenha que li comentava como as pausas entre faixas eram "mortas" de tão silenciosas. De fato, esse foi o disco mais "hi-fi" em que pus as mãos. O lançamento é de 2005, da (excelente) gravadora Nonesuch, em prensagem "audiófilo" de 180g.

Fiquem com Let's Move de tira-gosto.

E acho que eles não se ofenderão se vocês só baixarem os sons. Embora eu recomende muito a aquisição do disco (lá fora, aqui é o triplo - e sem trocadilho).
Day Trip Tokyo Day Trip

Um comentário:

Marina disse...

Hum, fiquei curiosa. Vou arranjar um tempinho pra degustação. hehe (: