quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Um Ídolo Intelectual

Noam Chomsky é um dos poucos seres humanos respeitados em duas áreas diferentes do conhecimento. É um linguista fundamental, criador de toda uma corrente de pensamento (o gerativismo), e é talvez mais conhecido como analista político crítico do capitalismo (e do socialismo) e das práticas imperialistas de seu próprio país.

A consistência do pensamento de Chomsky é irritante, a ponto de sua clareza ser confundida com simplismo. Foi o que disse o New York Times na frase em que o reputava "o intelectual vivo mais importante"... mas cujas visões políticas são "maddening simple-minded" (exasperantemente simplistas).

Chomsky é uma referência da esquerda atual (seja lá o que isso signifique) na contestação da "visão oficial da História", segundo a qual, por exemplo, os EUA lutavam pela democracia na América Central dos anos 80, ou que a Guerra Fria foi uma disputa de igual pra igual (entre o bem e o mal, é claro); ou ainda na questão palestina - uma em que a máquina de propaganda é assaz poderosa.

Chomsky professa o anarquismo (e acabo de encomendar dele On Anarchism e Government in the Future), daí sua liberdade para criticar tanto o capitalismo de Estado à ocidental (intervencionista) quanto o capitalismo de Estado alcunhado "socialismo real" (totalitário). Este vídeo é excelente neste quesito. E quanto àquele, sugiro meu próprio Chomskytube.

Daí por que disse que Chomsky é irritante: para ele não há opção entre capitalismo e socialismo porque nunca existiu nem um nem outro. Assim como na Palestina, entre uma solução de um Estado ou uma de dois Estados, ele é por uma solução de Estado nenhum. Na verdade, como foi bem observado pela Lambisgóia, ele tem um jeito muito peculiar de fazer ironias intelectuais muito finas a ponto de serem imperceptíveis a qualquer observador menos arguto.

Não tenho problemas em afirmar que Chomsky é um ídolo. Sinto uma ponta de orgulho por me corresponder com ele (ele é super acessível - aqui e aqui). Triste pensar que estive perto de entrevistá-lo pessoalmente quando fui a Boston, mas vicissitudes inescapáveis o impediram.

Nenhum comentário: