sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Senhorita

Me excita, senhorita mistério
Este teu ar sério
Ou como quando me fitas
Centelhas infinitas
Abrasam o cerrado ressecado
Deste músculo tão maltratado
Me excita, senhorita surpresa
Tua fulgurante, inusitada beleza
Me excita teu gosto ao vestir
Ou a desenvoltura em exibir
Pernas que parecem não terminar
Mas terminam, em pés - tão lindos -
que me poderiam pisar
A teu bel prazer, que é meu
O que é dizer eu sou teu
Mas sequer te conheço, senhorita encanto
Como pode que me estanques o pranto?
Isso é uma barbaridade; que seja
Tão longe quanto eu veja
Sopram ventos de mudança
Bem vinda, senhorita esperança.

Nenhum comentário: