quarta-feira, 9 de maio de 2012

Inerme

Cachos em harmoniosa desordem
Miríade de encantos sutilíssimos
Lascívia exala de seu corpo jovem

Caminha com garbo e desenvoltura
Milagre suas mãos tão delicadas
Lavanda emana de sua brancura

Capaz de hipnotizar com seu âmbar
Milhares de faíscas que abrasam
Lamentam os céus este anjo ímpar

Carinho, sugere seu rosto largo
Milhas de pernas e belos pezinhos
Lábios tão doces ou, quem sabe, amargos

Cada gesto, epítome do charme
Missão inglória estar indiferente
Ladra insciente de um ser inerme

Um comentário:

Trujillos disse...

Sofisticado, e um pouco tarado! hehehe... Ótimo